Resenha

Turn Of The Screw

Álbum de Dirty Looks

1989

CD/LP

Por: Diógenes Ferreira

Colaborador

29/08/2019



A aparência suja do Hard Rock

Fundada no início dos anos 80 pelo dinamarquês Henrik Ostergaard, o Dirty Looks lançou três álbuns em três gravadoras independentes antes de conseguir um grande contrato com a Atlantic Records em 1987 quando finalmente lançou o aclamado Cool From The Wire (1988), um álbum “cult” dos anos 80 que entrou até na parada da Billboard com méritos pelo ótimo disco que é. A banda sediada na Philadelphia e formada por Henrik Ostergaard (vocal/guitarra), Paul Lidel (guitarra), Jack Pyers (baixo) e Gene Barnett (bateria) apresentava uma sonoridade energética que bebia direto no rock n’ roll básico do AC/DC mas com aquele toque Hard sacana das bandas Glam da época, porém, sem aderir ao visual e às vestimentas do estilo. Pelo contrário, os caras do Dirty Looks mais pareciam os Ramones com suas calças jeans, jaquetas de couro e uma postura mais “gangue do asfalto”. O som poderia ser classificado como um mix de Britny Fox, Dangerous Toys, Ratt, Kix, AC/DC e tudo batido no liquidificador com pitadas energéticas de Power Boogie. Após a marca atingida com Cool From The Wire, a Atlantic resolveu apostar ainda mais na banda e chamou o renomado Beau Hill para produzir o sucessor Turn Of The Screw (1989). Porém, banda se desentendeu com Hill e preferiu concluir as gravações do disco com Jon Janson, que segundo eles trouxe mais pegada ao álbum. O fato é que o disco acabou sendo ainda mais bem sucedido que o anterior naquela época, mas ainda assim o Cool From The Wire até hoje continua a vender e ocupar o posto de álbum clássico do Dirty Looks. 

Independente do feito e dos números, vamos ao Turn of The Screw que começa arrebentando com a faixa-título, em um clima que passeia entre Accept, AC/DC e Helix. Depois temos “Nobody Rides For Free” com um refrão simples, direto e grudento com uma pegada meio ‘bluesy’. A próxima “C’mon Frenchie” vem acelerando e com a bateria no melhor estilo Phil ‘Animal’ Taylor. Após o descarrego, vem “Take What Ya Get” com refrão tipo “som das ruas”, meio punk. Em seguida entra “Hot Flash Jelly Roll” trazendo aquele Hard sujo e safado, seguido de “Always A Loser” que novamente lembra algo do Accept entre o Hard e o Heavy. O clima Los Angeles retorna com “L.A. Anna” trazendo nuances de Ratt no refrão. “Slammin’ to The Big Beat” vem na veia AC/DC, enquanto que “Love Screams” agita com um andamento e solo marcante. “Go Away” apresenta-se como uma balada inspirada, preparando terreno para o encerramento com “Have Some Balls” que poderia servir perfeitamente ao Mötley Crüe.

Após Turn Of The Screw, a banda continuou lançando álbuns mas perdendo um pouco o foco, alternando bons e maus momentos, mudanças constantes de formação, passando a ser mais como um projeto de Ostergaard do que uma banda propriamente dita. Caindo no ostracismo, Ostergaard foi aos poucos saindo do mundo da música e entrando no mundo do álcool, que resultou em complicações de saúde que o levaram à morte em 2011 por insuficiência hepática aos 47 anos. Infelizmente um talento perdido, mas que por um período deixou seu nome marcado por trabalhos como Cool From The Wire e Turn of The Screw, sem dúvida, dois grandes discos de Rock n’ Roll na sua mais pura essência.



Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Diógenes Ferreira

Nível: Colaborador

Membro desde: 22/01/2019

"Maranhense apaixonado por música em todas as vertentes do rock e que tenta colaborar com um cenário mais digno, próspero e auto-sustentável. Editou o Hellish Zine no final dos anos 90/início de 2000, em seguida escreveu por um período para o site Whiplash. Hoje colabora no 80 Minutos."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaHammerfall - Dominion (2019)

    17/08/2019

  • Image

    ResenhaDeath Angel - Humanicide (2019)

    04/06/2019

  • Image

    ResenhaCanyon - Older Than Time (2019)

    29/06/2019

  • Image

    ResenhaIron Savior - Kill or Get Killed (2019)

    05/05/2019

  • Image

    ResenhaDiamond Head - The Coffin Train (2019)

    11/07/2019

  • Image

    ResenhaOverkill - The Wings Of War (2019)

    26/02/2019

  • Image

    ResenhaViper - All My Life (2008)

    16/02/2019

  • Image

    ResenhaAmbush - Infidel (2020)

    19/03/2020

  • Image

    ResenhaRoulette - Now! (2019)

    28/04/2019

  • Image

    ResenhaMystic Prophecy - Metal Division (2020)

    20/02/2020

Visitar a página completa de Diógenes Ferreira



Sobre o álbum

Turn Of The Screw

Álbum disponível na discografia de: Dirty Looks

Ano: 1989

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 5 - 1 voto

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Turn Of The Screw



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.