Resenha

A Different Kind of Truth

Álbum de Van Halen

2012

CD/LP

Por: Marcel Dio

Colaborador Sênior

02/08/2019



Superando as expectativas

Em 2012 eu estava deveras preocupado com o calendário Maia, não me importava com o Van Halen. Depois de F.UC.K., a banda perdeu a estribeira com dois discos medianos, o Balance e o soporífero Van Halen III. Acho que a "pausa" de 14 anos sem inéditas fez bem a eles.
Ainda preocupado com o fim do mundo, sentei na cadeira com meus antidepressivos, liguei a tv e estava passando o single "Tatto" em algum programa que agora não recordo. E Tatto empolgou até a pagina dois. Sei que muitos tiveram uma decepção inicial, principalmente porque a canção divulgava o novo disco e de certo não serviria nem como sobra em Fair Warning ou 1984, mas para quem estava sumido do estúdio, até que serviu.
A sacada de coloca-la na linha de frente foi uma propaganda aos avessos, quem comprou o disco percebeu que era menos vibrante e que a picanha estava escondida atrás do acém.

Destaques :

"You and Your Blues", memora os momentos de Diver Down, vide "Where Have All The Good Times Gone?". Se a guerra de egos tivesse fim após a saída de Sammy Hagar, o Van Halen teria tempo para no mínimo dois álbuns a mais. "China Town" leva uma batida completamente estranha na bateria, com os dois bumbos sendo massacrados por Alex. O restante mantem o andamento acelerado com vários licks mortais de Eddie.

A voz de David Lee Roth em "Bullethead" abria o leque para extrapolar as linhas melódicas da fase anterior e tocar um rock com mais vigor. De forma rápida, lenta, agressiva ou "melódica", não se prendendo a um ou dois padrões. Bullethead tem minha preferencia. Sua curta duração pede um bis imediato.

A introdução de Alex para "As Is" é uma das melhores coisas que o Van Halen produziu, alem de obscura, o peso impressionava. Do nada, o andamento muda com a entrada dos vocais, dando espaço para a rifferama mais "alegre" de Eddie, usando e abusando do tapping entre outras frases tocadas na velocidade da luz. Algumas progressões remetem a Steve Morse Band. Gostaria que "As Is" continuasse com a proposta arrastada do inicio, mesmo assim é variada e interessante.

"Honey Baby Sweetie Doll" é uma aula em todos os sentidos, desde as bases, bateria, efeitos de baixo e o escambau. O filho Wolfgang mandou bem nas quatro cordas.
Na mesma toada a parruda "The Trouble" With Never" desfila solos "parentes" de 1984.

Saindo um pouco da parte Hardcore, "Stay Frosty" a principio tem um clima de brincadeira acústica blues vs country. Eletrificada depois com a chegada de outros instrumentos.

Enfim, o fechamento acontece com "Beats Workin", música com ótimos solos e riffs, sem omitir a "cozinha" - que segura a bronca de forma precisa, destacando Wolfgang. Obvio que os fãs queriam a volta de Michael Anthony, não só pelo contrabaixo como pela contribuição com os vocais de apoio, alem do carisma que o cara sempre passou no palco. Acredito que  mesmo ocupado com o Chickenfoot, viria correndo por um convite. A gente sabe...
No entanto é fácil entender que o Van Halen é um negócio em família e Eddie não dispensaria a própria cria.

Bom ... passado sete anos o veredito final é que esse disco deve ganhar o carimbo de clássico (assinado em cartório).
Ao reouvi-lo para essa resenha (sem análise de letras), a impressão melhorou e o trabalho subiu no meu conceito, quase superando obras celebradas como Diver Down, Woman and Children First, 5150, e quiça um empate técnico com F.U.C.K. Sinto uma dorzinha no peito ao dizer isso, mas como diz a sabedoria do mestre: a César o que é de César.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Marcel Dio

Nível: Colaborador Sênior

Membro desde: 14/03/2018

"Sou um amante da música, seja em qualquer estilo, rock, blues, jazz ou pop."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaBiquini Cavadão - Escuta Aqui (2000)

    20/04/2022

  • Image

    ResenhaToto - Fahrenheit (1986)

    23/08/2020

  • Image

    ResenhaDeep Purple - Infinite (2017)

    05/03/2020

  • Image

    ResenhaMichael Jackson - Bad (1987)

    19/02/2020

  • Image

    ResenhaColosseum II - Strange New Flesh (1976)

    22/06/2019

  • Image

    ResenhaAlan White - Ramshackled (1976)

    11/07/2019

  • Image

    ResenhaYuri Fulone - Fernão Dias Paes (2019)

    07/07/2020

  • Image

    ResenhaScorpions - Savage Amusement (1988)

    27/08/2021

  • Image

    ResenhaA Sabedoria Dos Beatles Nos Negócios

    29/09/2020

  • Image

    ResenhaRaul Seixas - A Pedra Do Gênesis (1988)

    29/04/2021

Visitar a página completa de Marcel Dio



Sobre o álbum

A Different Kind of Truth

Álbum disponível na discografia de: Van Halen

Ano: 2012

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 4,07 - 7 votos

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de A Different Kind of Truth



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.