Resenha

Colourbox

Álbum de Colourbox

1985

CD/LP

Por: Roberto Rillo Bíscaro

Colaborador Top Notch

16/07/2019



Um precursor do pop como o conhecemos hoje

Em 1987, uma canção mudou o rumo da música pop. Parece exagero de saudosista 80’s, mas não é. Pump Up the Volume, constituída basicamente por samples de inúmeras canções e falação sobre base hip hop, cravou primeiro lugar na parada britânica e quase conseguiu entrar no Top Ten ianque. Isso por si só seria um feito, dada à impenetrabilidade norte-americana para o alternativo.

Pump Up the Volume era música feita por e pra DJs, para clubes hipsters e desafiava o conceito de autoria. Hoje é segunda natureza surrupiar trechos de qualquer coisa para compor qualquer coisa, mas há três décadas, as gravadoras ainda tinham poder sacrossanto sobre direitos autorais. Além disso, o single marcou a chegada do independente selo 4AD ao cume do Top Ten. A gravadora dos etéreos Cocteau Twins batendo majors como Rick Astley e até Wacko Jacko. Até nos rincões do conservador Brasil, dançava-se ao som de M/A/R/R/S, nome dos anônimos compositores da canção, até nisso precursores. Hoje é tão comum nomes de artistas que nem sabemos quem são, com grafias ingrafáveis.

O fundamental M/A/R/R/S foi evento único constituído por duas bandas da 4AD, que provavelmente não constarão nem no rodapé dos futuros volumes de história da música pop: AR Kane e Colourbox.

O Colourbox foi formado em 1982, pelos irmãos Steve e Martyn Young, e sua cantora “clássica” é Lorita Grahame, que entrou em 83 e é a voz das gravações mais conhecidas. Até 87, lançaram esparsos singles, EPs e um par de álbuns, nunca obtendo sucesso de massa. O trio é cult desde a época em que atuou, mas agora o acesso é facilitado devido à popularização de serviços de streaming e Youtube.

O álbum homônimo de 1985, chegou ao topo da parada indie na Grã-Bretanha e é outro `clássico perdido”.

O underground tem servido de farto pasto para o mainstream, que o digam Bowie e Madonna, sempre antenados para transformar o alternativo em mais palatável para consumo maior. A batida alucinada de Punch e Manic, que viraria estouro de sucesso até nas paradas da Billboard, já estava dada pelo Colourbox, em 85. Compare as locomotivas do álbum de estreia de Taylor Dayne, que entrariam até para trilha de novela global, com essas duas canções dos britânicos: as estruturas rítmicas de percussão e linhas de teclado são similares, parte de uma estrutura de sentido muito comum mais para o final da década.

O Colourbox não se popularizou, ou por problema de divulgação da 4AD ou porque a produção não é tão bombástica, quanto à do mainstream da época; o som parece meio distanciado, tem hora que parece vir d’outra dimensão. Novamente, evoco a comparação com Dayne, digamos Tell It To My Heart e/ou Prove Your Love, para notar como a sonoridade é diferente. O Coloubox soaria algo interplanetário para o ouvinte apenas do Top Ten.

Repertório não deve ter sido empecilho para a popularidade, porque é acessível e eclético (alguns dirão que até demais). Tem reggae/dub (Say You e Hipnition), balada à anos 50 (The Moon Is Blue), balada pop à anos 80 (Arena e Arena II), eletrosoul (Inside Informer), puro pop (Suspicion) e até Motown, na cover de You Keep Me Hanging On, das Supremes. Kim Wilde também regravaria o clássico, em 1986. Ouça as duas em seguida e veja como a do Colourbox é mais esparsa.

E como boa parte do M/A/R/R/S estava no Coloubor, claro, haver precursora de Pump Up the Volume. Just Give’m Whisky é uma espécie de cavalgada spaghetti punk, cheia de samples de filmes de velho oeste e séries obscuras, como The Prisoner (you are number six!) e até solo de guitarra. O repertório é tão diversificado, que abre com instrumental em piano elétrico, que parece anunciar um álbum de algum de seus companheiros mais etéreos de 4AD.

Colourbox para sempre permanecerá para poucos, mas os leitores podem fazer parte dessa seleta minoria.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Roberto Rillo Bíscaro

Nível: Colaborador Top Notch

Membro desde: 11/09/2017

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaFarmhouse Odyssey - Fertile Ground (2019)

    30/10/2019

  • Image

    ResenhaBedibê - América (2019)

    27/09/2021

  • Image

    ResenhaCelso Viáfora - A Vida É (2021)

    15/04/2021

  • Image

    ResenhaPixx - The Age Of Anxiety (2017)

    16/11/2020

  • Image

    ResenhaCarpenters - Carpenters With The Royal Philharmonic Orchestra (2018)

    29/08/2020

  • Image

    ResenhaGlasser - Interiors (2013)

    04/10/2021

  • Image

    ResenhaDornik - Dornik (2015)

    03/04/2021

  • Image

    ResenhaUnreal City - Il Paese Del Tramonto (2015)

    24/03/2020

  • Image

    ResenhaPato Fu - Música de Brinquedo 2 Ao Vivo (2019)

    09/06/2020

  • Image

    ResenhaRock Brasília: Era de Ouro

    18/07/2021

Visitar a página completa de Roberto Rillo Bíscaro



Sobre o álbum

Colourbox

Álbum disponível na discografia de: Colourbox

Ano: 1985

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 5 - 1 voto

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Colourbox



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.