Resenha

Chameleon in the Shadow of the Night

Álbum de Peter Hammill

1973

CD/LP

Por: Tiago Meneses

Colaborador Top Notch

05/10/2017



Extremamente temperamental e expressivo, além de artisticamente fascinante

Van der Graaf Generator sempre foi uma das minhas bandas preferidas de rock progressivo, sendo Peter Hammill o principal motivo disso. Chameleon In The Shadow Of The Night na prática é o segundo disco do músico, mas muitas vezes é visto como o primeiro, já que o anterior é uma coleção de músicas pop, enquanto aqui as coisas de fato subiram a outro nível, trazendo um trabalho emotivo e de personalidade pura. A produção pode ser meio áspera e as estruturas se aproximando da simplicidade, além de que de vez em quando nota-se uma repetição ou “deslizamento”, porém, no final são “falhas” que engrandecem ainda mais esse registro.

O disco abre por meio de “German Overalls”. Apresenta melodias acústicas memoráveis, vocal emocional confiante e diversificado que se alterna frequentemente em tons de incerteza, cautela, além de intermediário a esses dois. Possui em seu final um harmônio encorpado que engrandece a música, além de um fluxo eletrônico/elétrico catártico. A segunda é “Slender Threads”, novamente uma faixa acústica de extrema qualidade, incluindo um par de interlúdios extremamente agradáveis e uma melodia principal perfeita. Os vocais incluem momentos ocasionais mais altos, mas são em grandes partes um recurso muito baixo, sutil e discreto.

Em “Rock and Rôle” encontra-se uma grande pitada de Van der Graaf Generator, sonoridade “punk” com riff elétrico e performances fortes de Nic Porter, Guy Evans e David Jackson, seus companheiros de banda (no caso de Nic, ex companheiro). Adições de piano de bom gosto e uma longa ponte instrumental inteligentemente arranjada marcam positivamente a música. “In The End” é uma faixa piano e voz que transmite um grande sentimento por meio da força da voz carregada de emoção de Peter Hammill. Uma bela cama de piano dá o tom de uma interpretação bonita, porém bastante nervosa, cheia de veneno, desespero e esperança sempre que as palavras assim exigem.

“What's It Worth” é a faixa mais cativante do disco, com uma bela e surpreendente flauta, sua simples melodia acústica é o carro chefe de uma viagem musical extremamente aconchegante. Novamente destaque também para a performance vocal de Peter Hammill, bastante limpa e acompanhada de uma harmonia incrivelmente bela. “Easy to Slip Away” é o momento mais diferente do álbum. Outra música piano e voz de carga emocional elevadíssima, principalmente pela entrega vocal de Peter Hammill, algo no mínimo sincero, poderoso e claro. A faixa também possui pontes de saxofone tocado com a alma, mellotron incrível, enfim, uma faixa diferente do restante do álbum.

“Dropping the Torch” é mais uma peça acústica do álbum e que é muito bem executada, onde o vocal é limpo e bem organizado, além de feito com simplicidade e sentimento. A faixa que fecha o disco é “(In the) Black Room/Tower” e que já começa com uma explosão instrumental. Tem efeitos caóticos e enlouquecidos de teclado, flautas, sax rugindo, percussão imaginativa, muitas harmonias vocais e um piano chocante e proeminente. Uma música extremamente complexa que equilibra bem o caos e o controle, conseguindo expressar o que é convencionalmente inexpressável.  Provavelmente a faixa destaque para a maioria das pessoas que ouvir o álbum e que já seja familiarizado com a obra de Peter Hammill. 

Toda as músicas nesse álbum possuem momentos de excelência. Um disco extremamente temperamental e expressivo, feito principalmente para os fãs de Peter Hammill e que consideram sua maneira de expressar-se artisticamente algo fascinante. Um dos melhores trabalhos solos de um dos maiores gênios da história do rock progressivo. 


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Tiago Meneses

Nível: Colaborador Top Notch

Membro desde: 28/09/2017

"Sou poeta, contista e apaixonado por música desde os primórdios da minha vida, onde o rock progressivo sempre teve uma cadeira especial."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaEloy - Silent Cries And Mighty Echoes (1979)

    19/07/2020

  • Image

    ResenhaGentle Knife - Clock Unwound (2017)

    26/01/2018

  • Image

    ResenhaHappy the Man - Crafty Hands (1978)

    10/07/2020

  • Image

    ResenhaThe Moody Blues - Days Of Future Passed (1967)

    28/03/2020

  • Image

    ResenhaEvership - The Uncrowned King - Act 1 (2021)

    19/09/2021

  • Image

    ResenhaRick Wakeman - Rock 'N' Roll Prophet Plus (1982)

    12/06/2020

  • Image

    ResenhaCorvus Stone - Corvus Stone (2012)

    29/04/2020

  • Image

    ResenhaGenesis - Selling England by the Pound (1973)

    28/09/2017

  • Image

    ResenhaThe Tea Club - Rabbit (2010)

    23/04/2020

  • Image

    ResenhaHawkwind - Doremi Fasol Latido (1972)

    18/04/2020

Visitar a página completa de Tiago Meneses



Sobre o álbum

Chameleon in the Shadow of the Night

Álbum disponível na discografia de: Peter Hammill

Ano: 1973

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 5 - 1 voto

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Chameleon in the Shadow of the Night



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.